terça-feira, 27 de março de 2012

Doutrinas de rigor ascético


Asceta: indivíduo que se dedica por completo aos exercícios espirituais, mortificando o corpo; anacoreta; eremita; ermitão.

Ascético: Relativo ao ascetismo ou aos ascetas: vida ascética. Cenobita; devoto; místico; contemplativo; platônico; tratado acerca do ascetismo.

Fonte: Dicionário Michaellis 2000

A primeira pedra

Encontramos o termo "rigor ascético" na Bíblia Sagrada, em sua versão Almeida Revista e Atualizada, da Sociedade Bíblica do Brasil. Está lá na carta do apóstolo Paulo aos cristãos colossenses, capítulo 2 e versículo 23. O termo equivalente na versão Almeida Revista e Corrigida é disciplina do corpo.

Esse trecho bíblico é pouco utilizado nas igrejas. Nos meus quase 29 anos como cristão evangélico não me lembro de alguém ter pregado sobre ele, usando-o como texto central da mensagem. E creio que é fácil entender os motivos. Paulo discorre sobre a natureza da carne, comentando sobre a satisfação carnal através da religiosidade. O apóstolo escreve sobre os excessos de "não-podes" e "não-toques" dizendo que estas ordenanças são desagradáveis ao Senhor por propiciar apenas a falsa aparência de santidade.

Paulo encontrou na cidade de Colosso uma igreja que estava se desviando do Evangelho sem abandonar a religiosidade. Alguns crentes começaram a entrar em hábitos de abstinências alimentares, observância de dias e até adoração aos anjos. Para isso, reivindicaram, misticamente, o apelo das visões. E dentro desse circulo de práticas das regras auto-impostas,  apresentavam-se falsamente como gentes humildes perante todos, ao orgulharem para si mesmos sentiam-se mais limpos e santos do que os outros cristãos que estavam fora das regras que eles praticavam.

Apenas a Palavra de Deus não é vaidade

Ora, tudo abaixo do sol é vaidade. Por que ter vanglória? (Eclesiastes 1.2).

Sabemos, quem nos purifica é só Jesus. As obras humanas não limpam o homem. O único ato ascético eficaz, quem fez foi Jesus ao morrer na cruz em nosso lugar, após viver sobre a terra sem cometer nenhum pecado.

Não existe regra maior do que a Palavra de Deus. Através das Escrituras vemos o que é proibido e o que não é (Salmo 119.105). Quando não existe um “NÃO” bíblico, então, não é sensato inventar proibições, se o assunto é da esfera da fé. O argumento do apóstolo é simples e prático: Cristo nos libertou e não devemos nos deixar prender novamente. Os tabus dos asceticismos religiosos são grilhões que precisam ficar para trás em nossas carreiras espirituais.

A lição na parábola do bom samaritano

É importante observar que os cristãos falham muito ao mandamento do amor ao próximo quando impõem regras denominacionais às pessoas. O Evangelho nos diz que só em Cristo, pela fé, somos salvos. Porém, a religião passa a falsa esperança de que a obediência às cartilhas de regulamentos garante a salvação.

A parábola do bom samaritano é um ótimo exemplo dessa troca de valores. Um homem estava moribundo. Passou por ele o sacerdote, depois o levita. Os dois religiosos agiram com total indiferença quanto ao estado de falta de sorte do viajante. Ambos lembraram-se das regras cerimoniais e não quiseram ficar impuros, pois o viajante estava à beira da morte e segundo a Lei tocar em cadáver causava impureza e impedia que eles participassem das oferendas e demais tarefas no templo (Números 5.2). Surgiu, então, o samaritano e antes de pensar em regras religiosas lembrou-se do mandamento do amor e socorreu o necessitado.

Socorrer é amar na prática

1. Socorro espiritual : Tiago 2.14-24:

Quão triste é ver crentes que hoje em dia ao se depararem com alguém que tropeçou na fé, talvez portanto a falsa sensação de superioridade, se arvoram como guardiões dos valores morais e criticam exigindo perfeccionismo dos caídos, ao invés de estender a mão para levantá-lo. Onde está o amor na vida dos crentes ascéticos?

Bem asseverou o apóstolo Paulo, dizendo que o rigor ascético só satisfaz a carne, não agrada ao Senhor.

2. Socorro humanitário: Isaías 58.1-14:

Certa vez, troquei postagens numa rede social com uma pessoa que se apresentava como cristã. Falávamos sobre a fome no continente africano, e ele revelou a sua opinião. Para ele, o correto seria primeiro pregar a Palavra de Deus e só depois entregar a alimentação.

Ora, onde está o amor aos necessitados? Sem querer ser injusto com ninguém, nem generalizar nada, sei das exceções, digo que esses crentes são os que mais cobram a disciplina do corpo, que mais criam regras e pensam que são os únicos santos e puros na face da Terra.

Conclusão

Certamente que é preciso evangelizar, porém, tendo condições financeiras, é preciso demonstrar o amor que preconizamos. Junto com "a paz do Senhor" deve haver ajuda material também.

Os cristãos ascéticos se esqueceram que “a religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo” – Tiago 1.27.

Parafraseando o versículo, amar o próximo é não se negar a ajudar quem estiver precisando, pois essa é a verdadeira atitude que agrada a Deus.