quarta-feira, 28 de março de 2012

SEDE MENINO NA MALÍCIA, MAS ADULTO NO ENTENDIMENTO.


O Evangelho de Mateus 18.1-3, descreve a Palavra que aproximaram-se de Jesus os seus discípulos, perguntando: Quem é, porventura, o maior no Reino dos Céus?

E Jesus, chamando uma criança, colocou-a no meio deles, disse lhes: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como uma criança, de modo algum entrará no Reino dos Céus.

A grandeza da sabedoria do Mestre nos ensina que para herdarmos o Reino de Deus, é imprescindível o arrependimento, a conversão, que sejamos dotados de um coração semelhante ao de uma criança.

Ele exemplificou a pureza da criança, a qual é desprovida, de toda maldade, malícia, lascívia, prostituição, hipocrisia, engano, soberba, avareza, ciúmes, ira, idolatria, heresia, bebedice, glutonarias, vingança, e do vício, porque a criança é livre de todo sentimento faccioso que contamina o homem e o impede de alcançar a salvação.

Porque para herdarmos o Reino do Céu, necessário é nascer de novo, ser uma nova criatura, lavada e remida pelo sangue do nosso Redentor, estar liberto de todas essas coisas, viver em novidade de vida, em espírito de mansidão, bondade, caridade, paz, fé, benignidade, temperança e amor, ter um coração puro como de criança.

Mas, a Palavra em I Coríntios 14.20, alerta também para que não sejamos como meninos no entendimento, mas, meninos na malícia e adultos no entendimento, para não nos assemelharmos mais a meninos inconstantes, levados em redor por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente os inocentes (Efésios 4.14).

Quando criança, o que igualmente se aplica a nossa vida espiritual, somos naturalmente ingênuos, puros, sinceros e sensíveis ao aprendizado nas lições, isso nos leva a crer em tudo que nos ensinam, contudo, em nossa ingenuidade também podemos ser maliciosos, travessos, mas sem o dolo peculiar do adulto.

E como novos convertidos somos crianças na Palavra, e se há alguma malícia, é desprovida de conhecimento, assim como as crianças, julgamos tudo como se estivéssemos certos, mesmo sem compreensão, mas com o conhecimento da Verdade, concluímos o quanto erramos ao julgarmo-nos sábios em plena inocência, e sem base sólida para manter nossa posição perecemos, uma vez que precisamos conhecer bem o que defendemos e acreditamos.

Enquanto meninos, somos passivos de erro, mas chegado o tempo do amadurecimento, não podemos mais agir como meninos, pois, como filhos de Deus lavados no sangue do Cordeiro precisamos crescer em graça e sabedoria, para discernir bem as coisas espirituais. Vejamos:

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino (I Coríntios 13.11)


E em I Coríntios 2.14-16, relata a Palavra: Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.

Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo?

Mas nós temos a mente de Cristo.

O alimento sólido dos filhos de Deus é a Palavra viva, pura e simples, e só com a mente de Cristo estaremos preparados para vencer o mundo. 

Hebreus 5.12-14, diz: Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos da Palavra de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite e não de sólido mantimento.

Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na Palavra da justiça, porque é menino. Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal.

Mas I Pedro 2.2, faz um relato profundo sobre o leite (a Palavra), vamos meditar: 

Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo.

É importante que se entenda a diferença, o nosso primeiro alimento espiritual deve ser forte e nutritivo como o leite é para os pequenos, mas, movido a razão, a lógica, dessa forma vamos crescendo em sabedoria e inteligência espiritual, o que nos dará discernimento para compreender a Palavra de Deus. Sem isso tornamo-nos debilitados espirituais, levados em roda por todo vento de doutrina.

Podemos agora assimilar a diferença em nos alimentar com leite racional não falsificado, (arrependimento, conversão e os primeiros ensinamentos) para que crescendo por ele, possamos estar bem alimentados, com a fé genuína, esse é o alimento sólido que nos capacita a ter a mente de Cristo, experimentados na Palavra.

Esses ensinamentos são indispensáveis nos dias de hoje, especialmente quando vemos o grande número de pessoas buscando a conversão, mas sem saber o que isso de fato representa.

O Evangelho e o anúncio da salvação, são as boas novas para todo aquele que crê em Cristo ressurreto como Filho do Altíssimo, é o grande amor do Pai nos reconciliando consigo, pela aspersão do sangue do seu próprio Filho.

Mas, lamentavelmente, por desinteresse, preguiça espiritual e ausência de fé, muitos irmãos tem se convertido em defesa a causa própria, uma massa de "cristãos" tem se batizado por crer nos "benefícios" do Evangelho, como:

Prosperar financeiramente, cura, libertação de vícios, bons empregos, promoção, casamento, entre outros sonhos. E nesse caso, a fé torna-se vã, porque ainda são meninos inconstantes, e se esquecem do propósito principal de Deus, a salvação da vida eterna para o homem que, depois da queda do Éden, estava morto na maldição do pecado.

A conversão sincera virá pela fé em Jesus Cristo, o Filho de Deus, a condição única para a salvação é essa; e conversão nada tem a ver com milagres e bênçãos materiais, essas são na verdade conseqüências de uma novidade de vida, da renovação do entendimento, a partir da fé, a vida do discípulo é transformada de glória em glória, de fé em fé, e se confirma a promessa do Senhor. Cura, libertação e bênçãos espirituais, que são dons a cada um por medida da fé, segundo o Espírito Santo Deus.

Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão (Marcos16.17-18).

Sem perspicácia somos alvos fáceis de falsos mestres, de um evangelho corrompido, antropocêntrico. Sem cruz e sem entendimento, aceitamos Jesus por conveniência, não por salvação. Enquanto é dia precisamos entender o Evangelho, vivendo a fé racional, sem emoções forçadas, sem influência externa, mas movidos pelo desejo da salvação, essa é a razão da morte de cruz do Messias, para salvar o homem perdido em seus pecados, e levar com Ele para eternidade filhos que andam em sinceridade, por fé, no caminho da verdade.

Libertos de toda malícia, e de todo engano, hipocrisia, inveja, e todas as murmurações, desejando afetuosamente, como meninos novamente nascidos (arrependimento e conversão), o leite racional, isto é a Palavra viva do Evangelho do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, para que, por ele, ou seja na revelação da Palavra pelo Espírito Santo de Deus, possamos crescer no conhecimento da verdade, na fé, esperança, perseverança da vida eterna, provando os dons celestiais. 

O desinteresse pela Palavra deprecia a oração, corrompe a fé , muda o foco da adoração, e nos aprisiona na religiosidade, mas o mais grave, nos torna seres emocionais, movidos a lágrimas e sensações, afastando-nos cada vez mais da Verdade que independe do coração, pois, enganoso é o coração do homem, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? (Jeremias 17.9).

E o Apóstolo Paulo exorta a igreja (I Coríntios 3.1-3), para que crescemos na fé e não andemos como meninos inconstantes. Medite:

E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo.

Com leite vos criei e não com manjar, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis; porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais segundo os homens?

Por isso amados, precisamos amadurecer espiritualmente no conhecimento da verdade, ser racional, considerar sob a luz da razão e da fé o que foi escrito, ser como os de Beréia (Atos 17.11) conferindo tudo na Palavra:

Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.

O servo de Deus precisa ter fome da Palavra e sede de justiça, desejar afetuosamente a água viva e o pão do Céu acima de todos os propósitos materiais, para que não se deixe enganar pelas sutilezas vãs e diabólicas.

Tudo que foi escrito, para nosso ensino foi escrito:

Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional (Romanos 12.1).

Novamente, a Palavra assevera sobre vosso culto racional, e isso só é possível se o servo deixar a comodidade de tão somente ouvir a Palavra como criança que ainda depende do leite, e passar a ser praticante e leitor, porque todos são capazes de aprender, e buscar com zelo os melhores dons, ecomo adulto se nutrir do alimento sólido, e o Senhor vos mostrará um caminho mais excelente.

A Palavra do Senhor alerta que: Virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas (II Timóteo 4.3, 4).

Observe se não é exatamente isso que está acontecendo hoje. Mas Jesus alertou que, por se multiplicar a iniquidade  o amor de muitos se esfriará. Por isso precisamos deixar de ser criança carente do leite racional (os primeiros ensinamentos), porque virão homens dissolutos e por avareza, farão comércio de vós com palavras fingidas (II Pedro 2.3).

Amados em Cristo, a Palavra em Gálatas 4.1-5, assegura que, em todo o tempo em que o herdeiro é menino, em nada difere do servo, ainda que seja senhor de tudo, porque está debaixo de tutores e curadores até ao tempo determinado pelo pai.

Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos à servidão debaixo dos primeiros rudimentos do mundo; mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.

Salmos 49.20, diz: O homem que está em honra, e não tem entendimento, é semelhante aos animais, que perecem.

O momento é oportuno para que busquemos o conhecimento da Verdade libertadora, os falsos mestres se levantaram em grande número e estão arrebanhando multidões para o abismo, e não decorremos mais como servos, mas como filhos do Altíssimo, pela fé na magnífica obra redentora do Filho de Deus, esperando com paciência o Grande Dia do Senhor, para que estejamos entre os seus poucos escolhidos.

Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus (Colossenses 3.1).