sábado, 23 de junho de 2012

A verdade acerca do catolicismo romano.





O Brasil é conhecido como o maior país católico do mundo ,mas no entanto , esses mesmos católicos se misturam com outros credos religiosos ou até mesmo no ateísmo. Isso mostra uma realidade completamente diferente, pois esse catolicismo pode ser considerado com uma religião sincrética. Um cristianismo apenas de cristãos nominais , descompromissados com as verdades bíblicas.
A igreja Católica ensina que o Pai é um ser distante, severo e irado e só pode ser alcançado através da intecessão de Maria, de inumeráveis santos, como também por todo tipo de penitência e boas obras. Todavia é um conceito completamente contrário à revelação que temos nos ensinos de Jesus (Jo 14:6).

A doutrina da oração aos santos.  A igreja Católica ensina que se deve invocar aos santos para que intercedam ao nosso favor e consigam as bênçãos de que necessitamos. Esta prática se baseia na idéia de que o pecador não pode se atrever a dirigir-se a um Deus santo. Tal ensino desonra a Deus, fazendo-o menos compassivo, misericordioso e amoroso que os santos.A Bíblia nos ensina que Deus se interessa por nossas necessidades e nos dá todas as coisas ( Rm 8:31 ).

A doutrina da veneração das imagens. A igreja católica ensina que as imagens de cristo, da virgem e dos santos devem ser honradas e veneradas. Esta honra se estende aos quadros, às cruzes e crucifixos, às medalhas e às relíquias. Deus proíbe terminantemente fazer imangens para honra ou veneração e esta proibição foi escrita pelo dedo de Deus nas tábuas da lei (Êx:20:4.5 e Is.44:9-19)

A doutrina da virgem Maria.  A igreja Católica ensina que Maria é mãe de Deus, rainha do céu e nossa advogada, imaculada, co-redentora da humanidade. Tais coisas a Bíblia não ensina de maneira alguma, pois Maria simplesmente foi mãe física de Jesus e não de sua divindade (Cl.1:13-17 e Jo.1:1-3 ).A própria Maria disse: "Fazei tudo quanto ele vos disser" (Jo.2:5).

Nós devemos respeitar Maria como uma serva de Deus, escolhida para uma missão especial, e não como deus e nem como mediadora (At. 4:12).

Fonte: Revista do Aluno, Editora Betel