terça-feira, 28 de agosto de 2012

Video emocionante - Cantor Miguel - foi por voce! (Paixão de Cristo)




TRÊS FORMAS DE ADORAÇÃO (Jo 4. 13- 26).

As duas primeiras precisam ser evitadas e a terceira precisa ser praticada

I. ADORAR EM IGNORÂNCIA

v. 22a: “Vós, os samaritanos, adorais o que não conheceis...”
1. Esta era a forma de adoração dos Samaritanos
a) Sua origem (2 Re 17.24-34).
b) A mulher estava presa em questões periféricas do culto samaritano.
c) A Bíblia deles era incompleta.

2. Muitos hoje ainda adoram em ignorânica.
a) não entendem a missão tríplice da igreja.
b) Quando não distinguem as formas de exaltar a Deus:
Ações de graças
Louvor
Adoração
c) Quando as letras das músicas não condizem com a música.
d) Quando os rítmos estimulam a carne.
e) Quando a seleção musical é mal feita.

3. É preciso conhecer a Deus para não adorá-lo em ignorância.

II. ADORAR EM HIPOCRISIA

v. 22b: “nós adoramos o que conhecemos, pois a salvação vem dos judeus”.

1. Por que Jesus disse isso? Talvez porque o libertador prometido a todo o Israel (tanto para Judeus como para Samaritanos) viria da tribo de Judá, como tb. constava na Bíblia Samaritana (Gn 49.10); por isso do Judeus – dos descendentes de Judá viria a Salvação para Israel e para o mundo inteiro.
2. Entretanto, outras referências denúncia o culto judaico.
a) Mq 6.6-8: Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus Altíssimo? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros? De dez mil ribeiros de azeite? [...]
b) Is 1.11: De que me serve a multidão de vossos sacrifícios? Diz o Senhor. Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura dos animais nédios; e não folgo com o sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes [...] Não tragais mais ofertas debaldes

3. Jesus condenava a hipocrisia dos fariseus.

4. Deus reprova o culto hipócrita – reprovou Caim - Gn 4.1-7: E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu, e teve a Caim ... E teve mais a seu irmão Abel... e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra. E aconteceu, ao cabo de dias, que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao SENHOR. E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta. Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o seu semblante. E o SENHOR disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não haverá aceitação {ou remissão} para ti? E, se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e para ti será o seu desejo, e sobre ele dominarás.
a) Caim era hipócrita:
· Não era bom - suas obras eram más - I João 3.12: Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros. Não como Caim, que era do maligno e matou a seu irmão. E por que causa o matou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas.
b) O culto de Caim:
culto que não se oferece o melhor trouxe uma ( qq. oferta ( Gn 4.2 ).
Achou que o seu culto tinha valor em si mesmo.
Baseou no esforço humano.
Quis competir, ao invés de Caim olhar para cima (Hb 12:1) olhou para os lados.
Culto sem arrependimento! Ao invés de arrepender-se ante a reprovação V.5b “ Irou-se fortemente, e descaiu-lhe o seu semblante”.

5. Deus aprova o culto sem hipocrisia como o de Abel:
a) O que traz o melhor ( v. 4 ): “dos primogênitos da sua ovelha, e da sua gordura”.
b) Antes do seu culto, ele foi aceito como pessoa. (v.4: e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta.).
c) Feito por fé
· Hb 11.4: Pela fé, Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons, e, por ela, depois de morto, ainda fala.

6. Muitos hoje ainda adoram em Hipocrisia.
a) Quando vêem o louvor somente como uma mercadoria da indústria cultural.
· profanação
· exigência de mercado
b) Quando fazemos teatralmente algo parecido com louvor e adoração para querer.
c) Quando fingimos ser o que não somos, como se estivéssemos representando ser melhor do que, na realidade somos. Gostaríamos de ser muito bons como não conseguimos fingimos ser.

III. ADORAR EM ESPÍRITO E EM VERDADE.

vv. 23,24: Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

1. Tendo Deus como Pai

2. Sendo achado pelo Pai

3. Adorando em Espírito
a) Implicações:
· Espírito é elemento da essência do ser de Deus. É nesse sentido (e não na parte material) que somos a imagem e semelhança de Deus;
· A parte mais elevada da existência que conhecemos é a espiritual; é neste nível que o homem pode ter comunhão com a Divindade.
· Rm 8.16: “O Espírito mesmo testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”.
· 1 Co 2.14-16: Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.

b) O espírito é imaterial e incorpóreo
Lc 24.39: “...um espírito não tem
carne nem ossos...”

b) Por isso, para nós assimilarmos Deus a Bíblia usa antropomorfismo, zoomorfismo, antropopatismo.

c) Homem algum viu a Deus, somente uma representação d’Ele como Moisés Ex 33.20-23: E disse mais: Não poderás ver a minha face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá. Disse mais o SENHOR: Eis aqui um lugar junto a mim; ali te porás sobre a penha. E acontecerá que, quando a minha glória passar, te porei numa fenda da penha e te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado. E, havendo eu tirado a minha mão, me verás pelas costas; mas a minha face não se verá.

d) O espírito é invisível por ser imaterial:
Jo 1.18: Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, este o fez conhecer.
· Cl 1.15: Jesus é o é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação.
Simel

e) As três faculdades de nosso espírito em funcionamento: intuição; comunhão; consciência.

f) Paulo adorou: 1 Tm 1.17: 6.16: Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus seja honra e glória para todo o sempre. Amém! o bem-aventurado e único poderoso Senhor, Rei dos reis e Senhor dos senhores; aquele que tem, ele só, a imortalidade e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver; ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém!

g) Para a mulher samaritana adorar a Deus em Espírito: era beber da água viva.

4. Adorando em verdade
O que é a verdade – três concepções:
a) Para os latinos verdade é veritas: refere-se a precisão rigor de um relato, no qual se diz com detalhes e precisão e fidelidade ao que aconteceu. A linguagem enuncia os fatos reais. Portanto, a verdade se refere aos fatos que foram.
b) Para os gregos, verdade é aletheia: significa não-oculto, não escondido, não-dissimulado. O verdadeiro é o que se opõe ao falso, pseudos, que é o encoberto, o escondido, o disfarçado, o que parece ser e não é como parece. Assim, verdade para os gregos se refere às coisas que são.

c) Para os israelitas, verdade é emunah e signfica confiança. Nessa concepção são as pessoas e é Deus quem são verdadeiros. Um Deus verdadeiro

5. Como adorar a Deus em espírito em verdade?
a) Sabendo que o louvor e uma das dimensões da missão tríplice da igreja.
b) Distinguindo as formas de exaltar a Deus, na nossa vida devocional:
Ações de graças
Louvor
Adoração
c) Não somente cantando, mas interpretando as letras das músicas.

d) Fazendo uma seleção musical correta.

e) Sendo um verdadeiro adorador que adore a Deus em espírito em verdade.

MATURIDADE ESPIRITUAL (João 20.1-9)

1) Amadurecimento na forma de ver a realidade, a partir da qual ele irá com a graça de Deus e em conjunto com Espírito Santo vai construindo a fé enquanto conteúdo, a fé objetiva, o arcabouço de doutrinas que fundamentam a convicção espiritual dele.

2) Nessa perspectiva não basta ver intelectualmente é preciso ver a partir da iluminação de Deus. A capacidade de ver é uma das mais significativas da existência humana.

3) E o dicionário Antônio Houaiss apresenta 34 sentidos para o verbo ver. Tem razão de ter tantos sentidos assim, pois a visão, dentre os cinco sentidos, é o mais intenso e poderoso. Dentre os vários significados da palavra “visão” posso destacar: “a percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista”; ou “concepção ou representação, em espírito, da realidade que nos cerca; a interpretação que a gente faz diante da vida; o ponto de vista diante daquilo que nos cerca”.

4) A fé começa e evolui de acordo com a forma com que vemos Deus e a realidade.

5) Podemos destacar a título de exemplo dois dos apóstolos Pedro e João. Ambos viram o Senhor, inclusive, o fato de ter visto o Senhor durante o período de seu ministério e tê-Lo visto ressurreto era um dos requisitos que a igreja primitiva utilizou para definir se uma pessoa era apóstolo mesmo (At 1.21.22; Jo 15.27).

6) Estes dois apóstolos escreveram:
Ø “Porque não vos fizemos saber a virtude e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, seguindo fábulas artificialmente compostas, mas nós mesmos vimos a sua majestade” (2 Pedro 1.16).
Ø “O que era desde o princípio, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida (porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai e nos foi manifestada), o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo. Estas coisas vos escrevemos, para que o vosso gozo se cumpra” (1 João 1.1-4); “e vimos, e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo” (1 João 4.14).

ASSIM, A FORMA COM QUE O CRENTE VÊ A CRUCIFICAÇÃO E A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DEFINE BOA PARTE DO GRAU DE MATURIDADE QUE ESTE CRISTÃO TEM EM RELAÇÃO À VIDA ESPIRITUAL.

Nesse sentido, é interessante como o evangelista João narra a maneira com que ele e Pedro viram a ressurreição do Senhor. No trecho de João 20.1-9, as palavras diferentes que ele utilizou no grego para expressar a idéia de “ver”.

Então, analisemos as palavras no original, visto que no português o verbo ver é expresso por uma única palavra o que reduz o sentido com o qual João escreveu.

I. O DESPERTAR DA ATENÇÃO:1. Nos versículo de 3 a 5, lemos: “Então, Pedro saiu com o outro discípulo e foram ao sepulcro. E os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais apressadamente do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. E, abaixando-se, viu no chão os lençóis; todavia, não entrou”.

2. O verbo “viu” é blepou é olhar que nota alguma coisa, atento, intrigado, perceber algo que desperta curiosidade; sentido de parar para ver.

3. O despertar para a fé objetiva é o início de uma caminhada em rumo à maturidade. Esse é um estágio eminentemente sensitivo, do primeiro contato do ser com a Palavra.

II. REFLETIR:
1. Nos versículos 6 e 7 vemos: “Chegou, pois, Simão Pedro, que o seguia, e entrou no sepulcro, e viu no chão os lençóis e que o lenço que tinha estado sobre a sua cabeça não estava com os lençóis, mas enrolado, num lugar à parte”.

2. Aqui “viu” é teoreo tem o sentido de “colocar a mão no queixo e ficar olhando com muita atenção; ficar considerando; olhar intensamente; olhar e imaginar que aquilo que se está olhando vale a pena uma reflexão profunda”.

3. De teoreo origina em nossa língua a palavra “teorema”, que é proposição que pode ser demonstrada por meio de um processo lógico; e “teoria” que quer dizer, do ponto de vista filosófico: conhecimento sistemático, fundamentado em observações empíricas e/ou postulados racionais, voltado para a formulação de leis e categorias gerais que permitam a ordenação, a classificação minuciosa e, eventualmente, a transformação dos fatos e das realidades da natureza.

4. Quando o crente vai amadurecendo na apropriação da fé objetiva, ele vai tendo a necessidade de saber teorizar sua crença.

5. Por isso, se o material didático e as aulas e as pregações que ele ouve forem circulares e o conteúdo não progredir ele provavelmente irá se desmotivar para o referido conteúdo.

III. ESQUADRINHAR:

1. Mais adiante no v. 8 João escreveu: “Então, entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu, e creu”.

2. Viu aqui é “orau” que quer dizer: “esquadrinhar; é olhar examinando minuciosamente; é ver procurando em todos os cantos e lugares, palmo a palmo; é escarafunchar, perscrutar, revistar; um olhar que produz compreensão e entendimento”.

3. Deus não quer que nós tenhamos uma fé burra: “estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós, tendo uma boa consciência” (1 Pedro 3.15).

4. Entretanto, não se trata somente de crer do ponto de vista cognitiovo! João “viu e creu”. Creu com a dimensão do ser: cognição; emoção e volição.

5. Essa fase, como as outras, para o pentecostal não se reduz perscrutar sua fé somente do ponto de vista intelectual mas também no que se refere à experiência, a intuição e a prática efetiva da fé .

ABRAÃO UM MODELO DE HOMEM DE DEUS (GN 13.14-18).

Ø Abraão é o Pai da Fé: Romanos 4. 9b-11: “[...] As Escrituras Sagradas, que dizem: “Abraão creu em Deus, e por isso Deus o aceitou.” [...] Deus aceitou Abraão porque ele tinha fé [...] Assim Abraão é o pai espiritual de todos os que crêem em Deus e são aceitos por ele [...]
Ø A Bíblia fala que os pastores são referenciais:
a) Presentes: Efésios 4:11 E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,
b) Devem ser imitados quanto a Fé Hebreus 13:7 Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver.
c) Cuidam das necessidades espirituais do povo de Deus - Hebreus 13:17 Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.
Ø Por que Abraão é nosso referencial, o nosso Pai da fé?
a) Renunciou uma religião que materializava a imagem da divindade para uma experiência mais madura com Deus que é Espírito;
b) Vivia uma vida de peregrinação, dando um exemplo de desapego ao terreno (tenda e altar);
c) Aprendeu a viver dependendo de Deus.
d) Demonstrou uma disposição para obedecer a Deus incondicionalmente.
e) Desenvolveu fé para receber milagre.
f) Era um homem de visão.

Ø O que significa visão nessa perspectiva? Direção, princípios, alvos. Saber o sentido a ser tomado para chegar no lugar que Deus quer; um ideal que dá sentido para a própria vida; o centro de interesse; o objetivo, a finalidade da vida, aquilo que se procura alcançar; intuito, desígnio

Como Deus queria que Abrão fosse um vencedor teve que ensinar um dos primeiros requisitos de todo o vencedor: ter visão.

Assim, Deus recomendou a Abraão que olhasse em 4 direções. Nós tb....

a) NORTE, o lugar que está diante de ti.
b) SUL, o lugar por onde já passaste.
c) ORIENTE, o lugar onde o sol nasce.
d) OCIDENTE, o lugar onde o sol se põe.

5. Para sermos uma pessoa...

I. OLHAR PARA O OCIDENTE, ONDE O SOL SE PÕE - A NOITE, A ESCURIDÃO - AS TRIBULAÇÕES
1. Quantas tribulações você enfrentou e em quais áreas? Otimismo Pessimismo ou Realismo
2. Por que sofremos?
a) Por causa de nós mesmos: A filha de Billy Graham estava sendo entrevistada no Early Show e Jane Clayson perguntou a ela: "Como é que DEUS teria permitido algo tão horroroso acontecer, como os atentados terroristas do dia 11 de setembro de 2001?" Anne Graham deu uma resposta extremamente profunda e sábia. Ela disse: "Eu creio que DEUS ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós. Por muitos anos nós temos dito para DEUS não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas. Sendo um cavalheiro como DEUS é, eu creio que Ele calmamente nos deixou. Como poderemos esperar que DEUS nos dê a Sua bênção e Sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?" (Internet)

b) Por causa dos outros

c) Por permissão de Deus: Aço Siderúrgica - Tempera

3. Como você reagiu diante delas?

4. A proposta de Deus – Rm 5.3b-5.

II. OLHAR PARA O ORIENTE, O SOL NASCENTE, A FIDELIDADE DE DEUS.1. O sol é 27 X > que a T. Está a 150 milhões de Km da T. A importância do sol para a Via Láctea... O sol é 27 X > que a T. Está a 150 milhões de Km da T.
2. O sol nunca entrou em greve... Nunca teve aumentou de tarifa. Com o sol Deus mostra que será sempre fiel.

3. Os Benefícios do sol:
· Fotossíntese
· A luz solar mata germes.
· A imunidade é aumentada pela exposição à luz do sol, e a resistência de seu corpo à infecção é aumentada.
· Os ossos são fortalecidos pela luz solar.
· As células sanguíneas vermelhas funcionam melhor após a exposição do corpo ao sol - aumento da habilidade delas transportar e distribuir oxigênio nas células do corpo.
· O colesterol é mudado em Vitamina D na pele na presença de luz solar não filtrada.
· Uma sensação de bem-estar é promovida pela luz solar e o humor melhora.
· Desde que equilibrados, os raios solares têm propriedades curativas.

4. O sol é uma ilustração da fidelidade do Senhor.
*** Houve uma época em que um indígena, um cacique de nome Juruna (falecido em 2002), foi eleito deputado. Antes mesmo de ser eleito, Juruna andava dizendo que “palavra de branco não merece confiança”. E caminhava pelo território nacional ouvindo pessoas importantes e registrando as declarações das autoridades em fitas cassetes de um gravador, para depois, não ser desmentido.
5. Deus é fiel - 2 Timóteo 2:13 se somos infiéis, ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-se a si mesmo.
*** finanças da igreja.

6. Hino: "Tu és fiel, Senhor, meu Pai celeste, pleno poder aos teus filhos darás. Nunca mudaste, tu nunca faltaste: Tal como eras, tu sempre serás".

III. OLHAR PARA O SUL, RECORDAÇÕES.

1. Do que Abraão lembrava-se? Do ponto de vista do juízo de valor, há dois tipos: boas e as más.

2. Há duas maneiras de reagir: negativa e positivamente.

3. O Exemplo do Profeta Jeremias:

a) Ele escreveu um livro da Bíblia que tem um nome negativo: “Lamentações”, mas, sua mensagem é muito animadora. Seu autor é o profeta hebreu Jeremias, que, em um determinado momento de sua vida, entrou em uma crise de desesperança. Havia motivos: a superpotência Babilônica tinha sitiado a sua querida cidade Jerusalém, por mais de dois anos. A situação de fome era tão terrível que algumas mães chegaram a comer seus próprios filhos. Os sentimentos do profeta foram se degradando terrivelmente.
b) Até que um dia, Jeremias reage a toda essa situação horrível, não permitindo que sua mente continuasse sendo um baú de más recordações (Lm 3.22-39). Ele passou a ocupar sua mente com fatos que expulsassem o sentimento de desesperança. Lm 3:21 Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.
c) Para não permitirmos que a esperança morra em nosso coração, devemos tomar as mesmas atitudes que o referido homem de Deus tomou. Inicialmente, devemos ter consciência de que “as misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim, novas são a cada manhã”. Em segundo lugar, precisamos crer que vale à pena esperar no Senhor. Disse Jeremias: “grande é a fidelidade de Deus, a minha porção é o Senhor, portanto, esperarei n’Ele”.

4. Dessa forma, pensemos: como agir positivamente diante das más recordações:
a) ofensas e ressentimentos – perdão;
b) erros– arrependimento e mudança radical de atitude.
c) frustrações – equilíbrio;
d) fracassos – reavaliações;

IV. OLHAR PARA O NORTE, O FUTURO. O OLHAR DA ESPERANÇA

*** Alguns pesquisadores da Universidade de Cornell estudaram 25.000 prisioneiros da Segunda Guerra Mundial. Concluíram que uma pessoa uma pessoa pode viver quarenta dias sem alimento, três dias sem água, oito minutos sem ar, mas nem um minuto sem esperança.

1. Abraão foi um exemplo do exercício da esperança - Rm 4:18 Abraão, esperando contra a esperança, creu, para vir a ser pai de muitas nações, segundo lhe fora dito: Assim será a tua descendência. Mas, Abraão estava “plenamente convicto de que Ele era Poderoso para cumprir o que prometeu” (Romanos 4.21).

2. O Cristão não precisa de ver nada para termos a esperança de um futuro abençoado - Rm 8:24 Porque, na esperança, fomos salvos. Ora, esperança que se vê não é esperança; pois o que alguém vê, como o espera?

3. A Bíblia nos inspira a sermos pessoas esperançosas - Rm 15:4 Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança.

*** Pintor Watt – quadro a Esperança

Salmos 146:5 Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, cuja esperança está no SENHOR, seu Deus,

Pv 23.17-18: Não tenha o teu coração inveja dos pecadores; antes, no temor do SENHOR perseverarás todo dia. Porque deveras haverá bom futuro; não será frustrada a tua esperança.

A LEI DA SEMEADURA (Gl 6.7b).

** Mulher que foi ao céu ... pensou que iria levar um pacote bem grande – mas recebeu uma caixinha pequena. O anjo lhe disse que no céu só entregavam sementes....

I. SOMENTE VAMOS SEMEAR, SE TIVERMOS UMA VISÃO (UM SONHO) DE NOSSA COLHEITA.
1. Só semeia quem tem sonho, quem tem visão.
2. Existem três tipos de pessoas: os que fazem as coisas acontecerem, os que ficam olhando as coisas acontecerem, e os que nem sabem o que está acontecendo.
3. Visão é uma fotografia de seu futuro preferível. É uma imagem do que você deseja fazer, uma estaca plantada no seu futuro. [Obstáculos].
4. Sêneca: Qdo. o cap. ñ sabe p/ q. porto se dirige, todos os ventos lhe são contrários.
5. Quando semeamos sonhamos com a colheita. O poder do sonho (da visão). Enxergamos pela fé o futuro; percebemos o que Deus está fazendo no Seu Reino; identificamos como nos encaixamos nos projetos de Deus.
6. Quatro verdades sobre a visão.
· O que você vê é o que você será.
(eu preciso mudar...)
· O que você vê é o que você pode realizar.
(não tiro para todo o lado)
· Sua visão capacitará você realizar o que parecia impossível.
· Sua visão vai inspirar outras pessoas.

II. VAMOS COLHER AQUILO QUE PLANTARMOS
1. Quem plantar joio, ervas daninhas e espinhos não pode esperar nada diferente além de intrigas, desunião e decepções.
2. Quem plantar amor, fé, esperança e verdade colherá frutos próprios para uma vida de vitória.
3. É imprescindível plantar – Na vida, ninguém deixa de plantar algo.
4. Para quem não se conscientizar de que é preciso plantar para depois colher irá ter muitas frustrações. Como colher sem plantar?
* certo irmão foi trabalhar em uma empresa...

III. VAMOS COLHER NO TEMPO CERTO, SE PLANTARMOS TAMBÉM NO TEMPO CERTO.
1. Há tempo para tudo debaixo do céu...
2. A semeadura é um dos processos naturais criado por Deus para geração de vida. Não tem efeito instantâneo. É um processo e como tal exige tempo.
3. Semear exige disposição, perseverança, paciência (não existe colheita instantânea ao plantio).
4. O perigo da cultura microondas – café solúvel – computador.
5. No processo de semear bem para colher bem não podemos desperdiçar tempo. Bem vale lembrar o sábio poema de frei Antônio das Chagas (1831-1882):

Deus pede estrita conta do meu tempo
E eu vou do meu tempo dar-lhe conta,
Mas como dar, sem tempo, tanta conta,
Eu que gastei, sem conta, tanto tempo?
Para ter minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado e não fiz conta
Não quis, sobrando tempo, fazer conta,
Hoje quero acertar conta e não há tempo.

Ó vós que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passa-tempo.
Cuidai, enquanto é tempo, de vossa conta,
Pois aqueles que sem conta gastam o tempo,
Quando o tempo chegar de prestar contas,
Chorarão, como eu, o não ter tempo.

IV. VAMOS COLHER ONDE PLANTARMOS1. No ano novo continuaremos a viver em geografias específicas.
2. Temos espaços vitais. Nossa vida vai se estruturando nesses ambientes. É nesses lugares que temos que plantar:
a) Na família b) No trabalho c) Na Igreja d) Na escola
3. Os grandes traumas têm raízes na família;
* irmã que parou de pregar para o marido
* o filho que começou honrar mais o pai
4. As maiores decepções com a fé se dão no ambiente religioso.
* irmão que reclamava que ninguém gostava dele na igreja, mas q. , mas, percebeu que seque cumprimentava as pessoas.
5. As grandes frustrações pessoais se configuram no local de trabalho.
* outro irmão via o patrão como um bicho...
6. É preciso plantar sementes novas exatamente onde vivemos mais intensamente, pois colhemos, primeiramente onde plantamos primeiro.

V. VAMOS COLHER MAIS DO QUE PLANTARMOS
1. Quem semeia um sonho e o cultiva – colhe realizações
2. Quem semeia a palavra – colhe fé
3. Quem semeia fé – colhe milagres
4. Quem semeia sorriso – colhe alegria
5. Quem semeia amor – colhe uma multidão de amigos.
6. Quem semeia bondade – colhe solidariedade.
7. Quem semeia perdão – colhe paz.
8. Quem semeia generosidade – colhe prosperidade

Mas, a melhor semente somos nós mesmos - Jo 12. 23-26: “É chegada a hora em que o Filho do Homem há de ser glorificado. Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto. Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem, neste mundo, aborrece a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna. Se alguém me serve, siga-me; e, onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará.

A Semente
Como eu queria ser uma semente
lançada à terra fértil, bem cuidada,
para mostrar o quanto, ao ser amada,
tamanha pequenez se faz potente.

Brotar... crescer... fundir-se em alegria
ao produzir a mágica das flores,
que traz beleza, aroma e tantas cores;
que traz a paz aos olhos e alivia.

Brotar... crescer... tornar-se mui contente
ao contornar de frutos sua estada
por esta Terra fria e apavorada,
gerando vida para todo o sempre.

A CRUZ DE CRISTO (Lc 9. 23-26)

1) O que era a cruz: Instrumento antigo de execução. Originária da Pérsia e depois legada aos gregos e aos romanos. “A mais cruel das mortes.” (Josefo).
2) Tipos de Cruz: Nos dias de Jesus havia três tipos de cruz: a X (de Stº André); a T (Comissa); a + (immissa).
3) No Brasil, Frei Henrique de Coimbra e sete confrades mendicantes, na companhia de um outro grupo de clérigos seculares fincou a 1ª cruz em solos brasileiros.
4) Por que a Cruz é tão especial que Paulo recusou gloriar-se em qualquer outra coisa (Gál. 6:14)?

I. NÃO É:
(1) Sofrer por causa de uma enfermidade.
(2) Agüentar esposo(a) pelo resto da vida
(3) agüentar as conseq. de uma profissão
(4) permanecer solteiro ou ficar viúvo
(5) uma catástrofe natural
(6) Perder o namorado 
(7) um acidente;
(8) desempego; 
(9) assalto
(10) morte; 
(11) filho viciado;
(12) crise financ. 
(13) parente alcoólotra
(14) infid. Conjugal

II. É UMA ESCOLHA
1. O paradoxo da metáfora: criminoso; escravo; fora dos padrões de ascenção social;
2. Não um determininismo divino. Deus não é um tirano e nossas provações não são algo insuportável
3. “Se alguém quiser...”
4. Jesus nunca quis que espiritualizássemos a cruz: como algo interior e místico.
5. Lc 14.33:
6. Perto da crucificação, Jesus dá uma lição de sua Filosofia da “Bacia e da Toalha”.

III. SEGUIR JESUS CUSTA CARO
1. Lc 14.25-33 – parentela a própria vida; construção e rei em guerra.
2. Muitos rejeitaram e continuam rejeitando a cruz de Cristo: Lc 9.57-62
III.1 QUAL SENTIDO QUE A CRUZ DE CRISTO REVELA NESSAS PASSAGENS?
1. Assumir a cruz de Cristo é algo muito dispendioso.
2. Jesus quer que racionalizemos as conseqüências da atitude de segui-Lo.
3. Significa pegar a bacia e a toalha – rejeição.
4. Não é um ato único e isolado e nem só de um aspecto.
5.Deus estará sempre dando novas oportunidades de tomarmos novas cruzes.
6. Quem está debaixo de uma cruz não está indo para uma festa divertida: mas sim,... Portanto, seguir a Jesus implica em estar disposto a morrer por amor ao seu Senhor.
7. A farsa do Ev. da prosperidade...
8. Não só mudar nossos hábitos pessoais, mas sim, permitir que Deus implante em nós a mente de Cristo.
9. Choques com os valores do mundo – e não se deixar levar por eles, pois são efêmeros –
10. Por isso o mundo ridiculariza a cruz de Cristo:
* No final de 1990, Só em nossos dias um artista homossexual, Mapplethorpe, recebe a honra de ter uma exposição de fotografias mostrada em todo o país, e que blasfema a cruz de Cristo. Ele fotografou a cruz saindo de um vaso de urina! Muita coisa do resto desta exposição itinerante era tão obscena e maligna que não dá para se repetir.
11) 1 Jo 2.15-17: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. 16 Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. 17 E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”.
10. Não posso levar a cruz e ter saudades do mundo.
11. O padrão de sucesso do mundo vai contra o q. J ensinou sobre sua morte –
a) Mc 8.31: E começou a ensinar-lhes que importava que o Filho do homem padecesse muito, e que fosse rejeitado pelos anciãos e príncipes dos sacerdotes, e pelos escribas, e que fosse morto...”
b) Mc 8.31-38:

12. Os sofrimentos advindos da Cruz de Cristo só acontecem, com a permissão do servo de Cristo: “Se alguém quer ....”.
13. Negar-se: (1) recusar a fazer do nosso prazer o alvo da vida; (2) recusar a fazer da nossa vontade a lei da vida. (3) Sujeitar-se à disciplina de Cristo
5. Jesus não força ninguém a levar a cruz. Levar a cruz é o ato de amor nosso para com Jesus. * " Quem não sacrifica nada não ama. Quem sacrifica pouco ama pouco. Quem sacrifica tudo ama totalmente." (Pe. Monier Vinard).
14. Você e eu temos nos colocado voluntariamente debaixo da cruz de Cristo?
15. Por isso, dizemos que a cruz não é ..... (ponto I), mas pode ser se... exemplos...”).

IV. O ASPECTO MISSIONÁRIO DA NOSSA CRUZ
1. levar a cruz significa enfrentar todos os nossos sofrimentos e lutas advindas de nossa idenficação com Cristo (Luc. 9:23). A cruz não é uma tragédia, mas algo que temos que carregar para que não nos voltemos para o orgulho. Assim, imitamos o nosso mestre, que carregou a sua cruz e sempre fugiu da plataforma dos holofotes.
2. Implicação: Quando carregamos a nossa cruz, nos tornamos instrumentos da glória do Pai e não de nós mesmos. Daí, pela graça dele, as pessoas não verão a nós simplesmente, e sim, verão Cristo em nós. Só que o negar-se a si mesmo exige uma determinação, uma renúncia muito trabalhosa. E o primeiro caminho árduo para um servo de Cristo é o da negação. Por isso que a cruz tem a ver com a identificação com Cristo Jesus. Na identificação com a cruz de Cristo, nós damos espaço para a negação diária. Daí, através da nossa vivência diária de negação, influenciamos outras pessoas que estão ao nosso redor, levando-as para o caminhos da cruz.